Liga dos Campeões 2018/19

Na presente edição da Liga dos Campeões, Portugal terá duas equipas na fase de grupos da Liga dos Campeões. O ano passado foram três equipas. Esta diminuição de uma equipa está relacionada com a queda do 6.º para o 7.º lugar no ranking da UEFA.

Recordemos que a UEFA tornou a prova ainda mais elitista, ao apurar diretamente os quatro primeiros classificados de Alemanha, Espanha, Itália e Inglaterra.

Não parece lógico o modelo de apuramento direto dos oito primeiros classificados ser: 4-4-4-4-3-2-1-1. Parece inacreditável como o 4.º classificado coloca 4 equipas directamente e o 7.º apenas 1.

Mais lógico seria:4-4-4-4-2-2-2-1. Com a vitória do Atlético de Madrid na Liga Europa 17/18, seria justo o 2.º de Portugal (Benfica) entrar diretamente e o 3.º de França (Lyon) disputar a 3.ª pré-eliminatória.

Parece curioso, numa altura em que a França está em 5.º lugar do ranking e Portugal em 7.º, que pela primeira vez o 5.º classificado apure três equipas.

Mais estranho parece o facto de pela primeira vez que os campeões nacionais acedem ao Pote 1, o 7.º classificado fica obrigado a ir ao Pote 2, precisamente no ano em que Portugal caiu para essa posição.

Direitos Televisivos e Média de Espectadores Liga dos Campeões 2016/2017:

EQUIPADIR TVESP
Juventus58,839 249
Leicester49,131 471
Nápoles41,140 054
Arsenal38,059 869
PSG29,945 516
Tottenham26,677 519
Real Madrid26,275 547
Barcelona26,085 863
Manchester City24,647 065
Mónaco23,813 471
Bayern Munique22,770 000
Lyon21,550 028
Dortmund19,763 698
Atlético de Madrid19,346 751
Besikthas17,435 184
Celtic15,557 781
Copenhaga14,430 596
CSKA14,423 147
Legia10,318 512
PSV Eindhoven9,334 130
Borussia Monchengladbach9,246 162
Sevilla8,037 433
Benfica5,451 131
Brugge4,321 092
FC Porto3,838 794
Sporting3,845 583
Leverkusen3,725 894
Dínamo de Kiev3,325 055
Rostov3,014 419
Basileia2,633 830
Ludogorets2,622 946
Dínamo de Zagreb2,312 577

 

Nesta tabela estão contabilizados em milhões de euros, o dinheiro recebido por cada clube na Liga dos Campeões 16/17. Benfica, FC Porto e Sporting estão entre os 10 clubes que receberam menos dinheiro. O Benfica com 5,4 M€, mesmo chegando aos oitavos de final e ganhando um jogo, recebeu menos 12 vezes que a Juventus e 10 que o Nápoles, que chegou à mesma fase.

O FC Porto mesmo passando a fase de grupos recebeu 5,6 vezes menos que o Lyon que ficou em 3.º lugar no seu grupo. Mais um sinal evidente, como as regras da Liga dos Campeões, desportivas ou financeiras, tendem sempre a enfraquecer o futebol português.

Direitos Televisivos por número de espectadores:

EQUIPA DIR/ESP
Mónaco1 767,1
Leicester1 559,3
Juventus1 498,8
Nápoles1 026,8
PSG657,6
Arsenal634,1
CSKA623,8
Legia556,4
Manchester City521,6
Besikthas493,6
Copenhaga472,1
Lyon428,9
Atlético de Madrid412,4
Real Madrid346,4
Tottenham343,5
Bayern Munique323,6
Dortmund309,5
Barcelona302,9
PSV Eindhoven272,1
Celtic268,9
Sevilla213,7
Rostov209,5
Brugge206,1
Borussia Monchengladbach198,8
Dínamo de Zagreb181,4
Leverkusen142,9
Dínamo de Kiev129,9
Ludogorets111,2
Benfica105,3
FC Porto99,2
Sporting82,3
Basileia75,9

 

Nesta tabela é contabilizado a quantidade de euros recebidos por cada espectador em média de cada clube.

Mais uma vez, para não variar, os clubes portugueses são os mais prejudicados. Depois do Basileia, Benfica, Sporting, FC Porto são proporcionalmente os clubes que menos recebem em função de quantas pessoas colocam nos estádios. Mesmo apesar de Benfica ser o 8.º clube com mais assistência, Sporting o 13.º e FC Porto o 17.º.

A diferença de proporção do Benfica (clube português que recebeu mais dinheiro) relativamente aos quatro primeiros é de mais de 10 vezes, relativamente aos oito primeiros é de mais de cinco vezes e relativamente a metade da tabela é mais de três vezes.

Apenas nove clubes não recebem proporcionalmente o dobro do dinheiro que os clubes portugueses. Neste sentido, é importante frisar a desigualdade que os clubes portugueses têm relativamente aos outros presentes na Liga dos Campeões.

É que já existe um diferencial substancial ao nível dos plantéis e incapacidade para gerar valor económico sobre os direitos televisivos das Ligas Nacionais. Esse factor é depois agravado pelas condicionantes aqui referidas. É um facto objectivo, que os clubes portugueses recebem muito pouco dinheiro face aos seus resultados e pessoas que levam aos estádios.

Uma realidade que passa completamente despercebida em Portugal. E é por isto que a missão das equipas portuguesas na Liga dos Campeões está praticamente limitada à presença nos quartos de final de vez em quando.

Porque para lá do quadro global de desigualdade pós Lei Bosman, nós próprios nunca nos soubemos defender e a UEFA continua a injustiçar o futebol português, penalizando-nos fortemente por termos apenas 10 milhões de habitantes.

Face ao diferencial de valores recebidos, é meritório Portugal ocupar o 7.º lugar no ranking da UEFA. É que nas nove primeiras posições apenas figuram países quatro vezes maiores que o nosso «cantinho à beira-mar plantado».

Comentários