Portugal sagrou-se campeão europeu de sub-17 em 2016

Numa altura em que o futebol português está constantemente a ser rebaixado e desvalorizado na opinião pública, penso que é primordial recordar os milagres que o futebol nos deu e fazer uma análise global do nosso futebol.

Milagre 1 – Benfica principal potência futebolística da Europa da década de 1960

O futebol português estava até à década de 60 muito atrás do topo da Europa. Portugal vivia numa ditadura, em que o desporto não era valorizado. Neste contexto era normal que Portugal não se conseguisse apurar para os Campeonatos do Mundo, as equipas e as selecções nacionais eram vezes sem conta goleados pelas principais potências da modalidade.

Paradoxalmente, o Sport Lisboa e Benfica, vinha em contra ciclo cada vez mais contrariando esta tendência, apostando num trabalho de base que estava muito à frente do seu tempo em Portugal.

Tudo começou quando em 1954 o Benfica criou o lar dos jogadores, um inédito centro de estágio na época em questão.

Entre 1956 e 1960 as equipas portuguesas só por uma vez passaram uma eliminatória na Taça dos Campeões Europeus.

Béla Guttman ingressa no Benfica em 1959, sagrando-se campeão nacional. Na altura da assinatura do contrato quis colocar uma cláusula em que ganharia 200 contos no caso de ser campeão europeu. A direcção do clube da Luz, face ao historial lusitano na TCE, achava essa conquista impossível e por isso até pôs mais 100 contos na cláusula, do que os pedidos por Bela Guttman.

Em 1960/1961, o Benfica surpreendia tudo e todos e ganhava 3-2 ao Barcelona, ainda sem Eusébio, na final da TCE e sagrava-se pela primeira vez na sua história: campeão europeu. Era a primeira vez que um clube se sagrava campeão europeu a não ser o Real Madrid.

O êxito do Benfica não foi fugaz, a turma da Luz, para além da conquista da TCE em 1961, repetiu o feito no ano seguinte e chegou por mais 3 vezes à final na década de 1960 (1963;1965,1968), sendo na referida década a equipa mais poderosa da Europa.

Milagre 2 – Formação do Sporting Clube de Portugal

Recorrendo a dados de 2011, por falta de dados mais recentes, pode-se concluir que Portugal é um país com muito poucos jogadores de futebol federados. Somos um país de gente apaixonada por futebol, mas no que à prática do mesmo diz respeito, estamos longe do panorama europeu.

Na tabela em anexo pode-se verificar esta tendência. Na Alemanha existem mais de 100 vezes mais jogadores de futebol em idade sénior que em Portugal.

As principais potências da Europa têm também números muito superiores a nós. Basta ver o número de atletas federados de Inglaterra, França, Holanda, Itália que é no mínimo 10! Vezes maior que o nosso.

Mas também convém ver que até países como a Dinamarca e a Croácia, com cerca de metade da nossa população têm muito mais futebolistas.

Paradoxalmente 2 dos melhores jogadores de futebol do Mundo foram formados em Portugal: Cristiano Ronaldo e Luís Figo foram descobertos por Aurélio Pereira e lapidados na formação do Sporting Clube de Portugal. O Sporting é o 5º clube com mais jogadores da sua formação nas principais 31 Ligas do futebol europeu.

Com tão pouco fazer tanto, só é possível trabalhando mais e melhor que os outros e a estrutura de formação do Sporting é a todos os níveis um exemplo mundial.

Milagre 3 – FC Porto campeão europeu após a Lei Bosman

O dia 15/12/1995 é marcante na história do futebol mundial devido à criação da Lei Bosman. Desde aí a utilização de estrangeiros aumenta cada vez mais o que permita que os clubes mais fortes economicamente pudessem adquirir sempre os melhores jogadores. O futebol puro, emocionante que permitiu a Benfica, Celtic, Ajax, Feyenoord, Steaua de Bucareste, FC Porto, PSV, Estrela Vermelha e Marselha serem campeões da Europa tinha os dias contados. As leis começavam a ser ditadas pelo dinheiro e o sucesso na principal prova de clubes do Mundo era apenas reservado a clubes alemães, italianos, ingleses e espanhóis.

Depois de 2 anos sem ser campeão nacional e com uma temporada de 2001/2002 abaixo das expectativas Jorge Nuno Pinto da Costa decide apostar em José Mourinho para treinador do Futebol Clube do Porto. Em 2002/2003 vence a Taça UEFA. Na época, Deco era indiscutivelmente o principal jogador do Futebol Clube do Porto. Depois de uma época fantástica glorificada com grandes exibições, o Barcelona faz uma grande proposta ao FC Porto. Jorge Nuno Pinto da Costa, promete a Deco que sair na época seguinte, mas que primeiro têm de ser campeão europeu pelo FC Porto. Deco, não acreditou, mas lá ficou e o resto é história como todos sabemos. O FC Porto começou por eliminar o Manchester United com o golo épico de Costinha, eliminou o Lyon, o Deportivo da Corunha e goleou o Mónaco na final. Naquele que foi, infelizmente, o último capítulo da pureza do futebol europeu em competições de clubes.

Milagre 4 – Portugal equipa mais consistente da Europa do século XXI

Até 2000 Portugal tinha alcançado o 3º lugar no Mundial de 1966, as Meias-Finais do Euro 1984, foi eliminado na Fase de Grupos do Mundial de 1986 e em 1996 caíu nos quartos de-final do Europeu.

Estas 4 presenças em 70 anos de competições de selecções refletem inequivocamente que a selecção portuguesa de futebol estava longe de ser uma referência internacional.

Com a eliminação vergonhosa do Mundial de 1986 o futebol português mudou. A Federação Portuguesa de Futebol começou finalmente a ter uma estrutura sólida, mudou-se o planeamento da formação e os resultados tiveram à vista. Portugal sagrava-se bicampeão mundial de sub20 entre 1989 e 1991. Os resultados quase 30 anos mais tarde estão à vista.

Mais do que ser campeão europeu em 2016, porque a Dinamarca também o foi em 1992 e a Grécia em 2004 e isso não traduziu mudanças a longo de prazo nestes países  é assinalável perceber que desde 2000, em 5 europeus Portugal teve 4 presenças em Meias-Finais, 2 das quais foi eliminada por um golo de penalty no prolongamento (França 2000) e nos penaltys (Espanha 2012). A Alemanha com 100 vezes mais jogadores de futebol federado sénior que em Portugal apenas por 3 vezes esteve nas Meias-Finais. Potências como França. Itália, Espanha e Holanda apenas por 2 vezes chegaram às Meias-Finais.

Um país sem história futebolística, conseguiu em 30 anos tornar-se a equipa mais consistente da Europa.

Todos estes feitos absolutamente utópicos aconteceram porque Bella Gutman, Aurélio Pereira, Pinto da Costa e Fernando Santos, entre outros acreditaram que eles eram possíveis.

Um país sem tradição na modalidade, com uma base de recrutamento diminuta conseguiu produzir dos maiores milagres da História do futebol Mundial.

E fica a grande pergunta, como tudo isto aconteceu?

Porque o futebol português, tal como o país, têm gente com valor, que trabalha e se esforça mais que os outros, que reconhece as suas limitações, cresce a partir delas, têm uma crença infindável e nunca desiste dos seus objectivos.

Por isso talvez, Aleksander Ceferin, presidente da UEFA, tenha dito, com algum exagero, diga-se também, a 23/3/2017 que com actual estrutura do futebol português, Portugal arrisca-se a ganhar as próximas 4/5 competições de selecções.

Tal como eu fui ver o jogo Portugal-Hungria com uma pessoa estrangeira, que nunca tinha entrado num estádio de futebol em Portugal e ficou maravilhada pelo apoio dos portugueses à selecção e pela quantidade enorme de famílias no jogo.

Tal como os adeptos do Benfica se fizeram ouvir em Amesterdão após a derrota com o Chelsea, tal como os adeptos do Sporting calaram o Bernabéu ou como os habitantes de Liverpool tiraram fotos nas ruas da cidades aos adeptos do Futebol Clube do Porto, que prestavam apoio à sua equipa, na segunda mão depois de uma pesadíssima derrota 0-5.

Portugal é o 3º país mais seguro do Mundo. O futebol é o maior fenómeno de massas na sociedade.

Só o eterno pessimismo, sentimento de inferioridade dos portugueses e incapacidade de olhar para o estrangeiro pode fazer pensar que os adeptos portugueses são piores que os outros.

Somos infelizmente, um país, com demasiadas pessoas umas contra as outras, em vez de lutarem juntas pelo bem comum. Um país que não se sabe valorizar e que acha sempre que os estrangeiros são melhores.

Em Portugal, as pessoas, dão demasiada importância aos dirigentes e ainda não perceberam que enquanto continuarem a consumir essas notícias elas continuaram a existir, pois a polémica dá muito dinheiro a ganhar aos protagonistas e as guerras são inventadas para gerar dinheiro.

Como é que é possível com um estado de futebol tão deplorável fazer estes milagres? Como é óbvio, tudo isto não passa de uma enorme irracionalidade.

Caro leitor, não espere pelo dia 15 de Julho para apoiar Portugal e celebrar a vitória do Mundial. Ou eventualmente por Julho de 2022 ou 2026. Faço-o antes e tenha orgulho no nosso futebol e no nosso país e perceba que os nossos problemas não são exclusivamente nossos.

Eu, tal como Bella Gutman, Aurélio Pereira, Pinto da Costa, Fernando Santos acredito e sei: um dia Portugal vai ser campeão do Mundo!

P.S.: Sei que este é um espaço para comentar futebol, mas não poderia deixar de felicitar Diogo Ganchicho que ontem se sagrou-o campeão europeu de Trampolins em Baku. Uma prova, mais evidente, dos méritos da federação portuguesa de ginástica, que é considerada das melhores do Mundo.

Mais um exemplo de quando se valoriza aquilo que é nosso o sucesso e os resultados aparecem.

Mas invariavelmente, hoje nas copas dos jornais, nem em letra pequena, tal feito foi assinalável.

É cultural, mas cabe a cada um de nós, tentar mudar a tendência, eu fi-lo aqui escrevendo este artigo. E você também acredita no futebol português e em Portugal?

PaísPopulaçãoJogadores por HabitanteFederados SéniorDiferença para Portugal
Alemanha8127600022.23661081108.6500641
Inglaterra6508127634191415556.80646727
Rússia14403100083173531351.49896765
França661210007489352726.51724084
Holanda1693300031.553755615.95305984
Itália6096300014741471412.30749408
Polónia384940001542499617.418104735
Bélgica1125900059.81882785.587522369
Suécia9794000601632334.844282805
Espanha463350003401362794.04437009
Suiça8265000691197833.554793741
Dinamarca5673000511112353.301134711
Croácia423000088480681.426521544
Sérvia7103000163435771.293227258
Portugal1031100030633696
Islândia3310005857070.16936382
Comentários
Artigo anteriorFinalmente, Jesus!
Próximo artigoQuartos históricos na principal competição da Europa
João Perfeito
Tenho 27 anos e sou verdadeiramente apaixonado pelo futebol desde os 9 anos. O célebre Portugal-Inglaterra do Euro 2000 permitiu-me apaixonar-me por este jogo que alia emoção, inteligência, espírito colectivo,arte, incerteza e superação. Desde aí nunca deixei de acompanhar com profundidade o futebol nacional e internacional. Licenciei-me em Ciências da comunicação, fui colaborador de conteúdos do Museu do Sport Lisboa e Benfica e colaborador estatístico da I Gala Quinas de Ouro da Federação Portuguesa de Futebol em 2015. E neste contexto a minha paixão pela escrita e pela estatística intersecta-se com o futebol. Aqui no Linha de Passe pretendo escrever sobre a actualidade e história deste desporto fantástico sempre recorrendo aos dados que considerar mais oportunos para poder transmitir ao máximo a minha visão sobre a beleza do futebol.